Feeds:
Posts
Comentários

Archive for abril \30\UTC 2017

Eu e Minha Família – Em Campos do Jordão #familia #passeio

Bom Feriado a todos.

Read Full Post »

Idosos terão aula gratuita de hidroginástica

Manter o corpo e a mente saudáveis e contribuir para que a terceira idade seja, como dizem, a “melhor idade”. Assim pode ser definida uma parceria firmada entre a Afasc e a Unesc para proporcionar aulas de hidroginástica gratuitas a 100 idosos atendidos pela entidade. Contudo, atividade não será apenas uma forma de lazer, mas uma maneira para melhorar o diabetes, a hipertensão e a depressão, comuns nessa faixa etária.
Os primeiros alunos serão os frequentadores dos clubes de mães de Criciúma. “As pessoas com mais de 50 anos que tiverem interesse em participar serão encaminhadas para triagem com os profissionais da Unesc”, salienta a coordenadora desses grupos, Nézia João Pereira. “Nossa intenção é fortalecer os vínculos afetivos, além de melhorar a qualidade de vida dos idosos”, comenta.
Mais qualidade de vida
Para o professor do curso de Educação Física da Unesc, Luciano Acordi da Silva, as atividades têm o propósito de melhorar a saúde mental e a aptidão física. “Trabalhamos com aulas que envolvem exercícios aquáticos de hidroginástica, porém com metodologias distintas. Temos atividades intermitentes e contínuas, que visam melhorar a qualidade de vida dos idosos”, enfatiza.
Nos casos de depressão, os exercícios intermitentes auxiliam na redução dos índices de ansiedade. Sobre o diabetes, as atividades contínuas melhoram a captação de glicose e autonomia funcional. Por fim, para os hipertensos, os exercícios de leve intensidade ajudam no controle da pressão arterial e parâmetros de aptidão física.
Todas essas atividades serão oferecidas gratuitamente aos idosos portadores de doenças crônicas não transmissíveis. As aulas iniciam no dia 3 de maio e ocorrerão às segundas e quartas-feiras, na piscina do curso de Educação Física da Unesc. Os interessados em participar devem entrar em contato com as facilitadoras dos grupos de idosos e clubes de mães dos bairros, para serem encaminhados à triagem.

Read Full Post »

Mãe é Natura Todo Dia, Luna,Ekos #parasempre

Natura REDE.NATURA.NET | CORPO | PERFUMARIA | MAQUIAGEM | TODOS OS PRODUTOS PROMOÇÕES
Espaço Rede Natura de GERALDO GONÇALVES DE SOUZA

 Leve mais por menos

2 produtos por R$ 29 2 produtos por R$ 59 2 produtos por R$ 99

 Bazar das boas escolhas - Produtos com até 60% de desconto

Toda a perfumaria com até 50% OFF

Read Full Post »

REDE.NATURA.NET | CORPO | PERFUMARIA | MAQUIAGEM | TODOS OS PRODUTOS PROMOÇÕES Espaço Rede Natura de GERALDO GONÇALVES DE SOUZA

via Natura – Mamãe Meu Presente Para sempre #diadasmães — GERALDO SOUZA;Doutorzinho,Produtos Naturais,; Dor nas Costas;Nmawashi (11)99391 4373

Read Full Post »

  • VEJA SIMULAÇÃO , COMEÇA HOJE AS NOVAS REGRAS PARA PAGAMENTO MÍNIMO DO CARTÃO DE CRÉDITO.

Mudanças nas regras para o uso do rotativo do cartão de crédito começam a valer nesta segunda-feira (3). A partir de agora, os clientes terão restrições para fazer o pagamento mínimo da fatura e acessar o crédito rotativo. A determinação foi divulgada pelo Banco Central no dia 26 de janeiro. Diferente do que ocorria antes, quem optar por pagar o valor mínimo da fatura não poderá fazer essa opção por vários meses consecutivos.

A restrição foi criada para coibir o uso do rotativo e obrigar os bancos a oferecer uma solução de parcelamento para o cartão de crédito com juros mais baratos. A taxa de juro do rotativo encerrou 2016 em 484,6% ao ano, segundo dados do Banco Central, que considera a média de todas as instituições financeiras.

Como funcionou até agora?

Antes da mudança, para não ficar inadimplente, o consumidor precisava pagar ao menos 15% do valor da fatura de seu cartão de crédito (pagamento mínimo) até o vencimento da fatura. O restante da dívida ficava para o mês seguinte, sujeito aos juros do cartão considerados proibitivos.

No mês seguinte, o cliente receberia a fatura com o saldo da dívida do mês anterior acrescido dos juros. Se não conseguisse pagar o valor integral, ele poderia, então, fazer novamente o pagamento mínimo de 15%, no mesmo processo anterior, e assim sucessivamente. Daí surge a metáfora da “bola de neve” associada frequentemente ao uso do rotativo do cartão de crédito.

O que muda?

A partir desta segunda (3), o consumidor que não conseguir fazer o pagamento integral de sua fatura do cartão de crédito poderá fazer o pagamento mínimo de 15% apenas por um mês. Na fatura seguinte, ele não poderá repetir o processo, pois o banco é obrigado a oferecer uma linha de crédito para que o consumidor parcele a sua dívida.

O cliente negocia então um prazo e uma taxa de juros para pagar a pendência. Entre os grandes bancos brasileiros, quatro já anunciaram as taxas que vão ser oferecidas – todas menores que os atuais juros do cartão, variando de 0,99% a 9,99% ao mês.

Na prática, em vez de alongar indefinidamente sua dívida fazendo o pagamento mínimo da fatura por vários meses consecutivos, o cliente terá de assumir o financiamento de sua dívida com prazo determinado e juros menores.

É importante destacar que, pelas novas regras, o cliente ainda pode fazer o pagamento integral de sua dívida a qualquer momento, mesmo antes do vencimento da próxima parcela.

Na ponta do lápis

Com taxas menores, o valor final pago pelos consumidores ao fim do parcelamento acaba ficando mais baixo do que seriam com juros rotativos do cartão. No entanto, o cliente pode ficar sujeito a parcelas maiores do que pagaria caso fizesse o pagamento mínimo da fatura por vários meses.

O economista Samy Dana, colunista do G1, fez a simulação de uma dívida de R$ 1 mil paga em 1 ano. Pelo rotativo do cartão, considerando os juros médios de 4 grandes bancos do Brasil (16,4% ao mês), o cliente que optasse por pagar o valor mínimo da fatura por 11 meses arcaria com parcelas de R$ 134 a R$ 148. Pagando o saldo devedor restante de R$ 885,42 no 12º mês, a dívida de R$ 1 mil teria se tornado R$ 2.588.

Para comparação: considerando os juros médios já anunciados pelos bancos nas novas regras, a dívida final somaria R$ 1.872, com 12 parcelas iguais de R$ 143.

A simulação do G1 considera a média das taxas máximas informadas pelos bancos nas linhas de parcelamento.

 (Foto: Arte/G1)

O que dizem os especialistas

Marcos Crivelaro, especialista em finanças pessoais e professor da Fiap, avalia que as pessoas que têm o costume de, equivocadamente, “usar o rotativo do cartão de crédito como complemento do salário” podem sentir agora que “o estão privando dessa liberdade”. No entanto, o educador acredita que a nova regra defende o consumidor, já que o valor da dívida final é menor.

Crivelaro também estima que as novas regras inibam o descontrole financeiro. “Com rotativo o cartão, aquele ‘algo a mais’ que o salário não cobria estava sempre lá, pronto, pré-aprovado, sem burocracia”, descreve. “Agora, financiar a si mesmo vai dar trabalho”, diz ele sobre as negociações dos parcelamentos.

Para o economista Samy Dana, a solução encontrada pelos bancos ainda é uma opção de crédito cara e que deve ser evitada pelo brasileiro.

Reinaldo Domingos, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros e da DSOP, acredita que, apesar de o parcelamento a juros menores diminuírem o valor final da dívida, as novas condições não devem ter um impacto grande nos índices de inadimplência. “Se uma pessoa não consegue pagar o mínimo de 15%, também não vai conseguir pagar a parcela financiada.”

Para Domingos, a nova medida que permite financiar o valor total “não está dando nenhum tipo de benefício para o devedor”. “Essa dívida vai acabar se tornando objeto de negativação do nome desse consumidor.”

O que fazer?

Para quem já está endividado, os educadores financeiros recomendam a procura de crédito mais barato antes de ficar sujeitos aos juros do cartão de crédito, mesmo considerando as taxas mais baixas das novas regras. Entre os exemplos estão créditos pessoais a juros menores, como o consignado, além da procura do banco ou instituição financeira que ofereça as condições mais vantajosas para liquidar as pendências.

Além disso, a recomendação é prestar atenção ao orçamento familiar, identificando as despesas que podem ser cortadas para que os gastos não ultrapassem os ganhos. “Quando a gente fala em cortar gastos, a pessoa não consegue visualizar onde está gastando. Reduzir padrão é adequar a realidade do que eu ganho comparado com o que eu gasto. E eu não tenho como descobrir aonde está indo cada centavo do meu dinheiro se não fizer um acompanhamento minucioso”, ensina Domingos.

  • BANCO CENTRAL DO BRASIL
  • BANCO SANTANDER S.A.
  • BANCO DO BRASIL
  • BRADESCO
  • ITAÚ

FONTE

acesse-agora-3

 

Read Full Post »

%d blogueiros gostam disto: